O aprendiz adulto de inglês

“A evidência mais forte para a noção de determinantes genéticas para a aquisição lingüística, deve ser que é humano ser um falante nativo”.

Paikeday (1985)

 

Muito se fala sobre relação criança/adolescente e o aprendizado de uma língua estrangeira. Se por um lado parece haver uma atenção especial voltada às capacidades de aprendizagem destes indivíduos, por outro parece haver um sentimento de impotência quando se fala de aprendizes adultos, como se não fossem capazes de dominar um segundo idioma. Em minha experiência pedagógica, percebo que este público parece ter internalizado uma crença de que jamais atingirá certo nível de fluência ou até mesmo de que nunca será usuário competente da língua inglesa por ter passado da infância ou da puberdade. Sabemos que a teoria do período crítico de aquisição linguística (Lennenberg, 1964) existe e que também é objeto de muito estudo e questionamento hoje em dia.

No entanto, é desnecessário dizer que, ao menos no contexto de aulas em empresas (in company), 100% dos alunos são adultos e aprendem inglês. Parto do mero princípio que, se realmente ninguém aprendesse, não haveria alunos e nem este tipo de curso. Sabemos que a situação é justamente contrária: em tempos de empresas globalizadas e de eventos esportivos internacionais, mais e mais pessoas procuram aprender ou aprimorar o inglês.

Já sabemos que adultos e crianças aprendem de formas diferentes e para propósitos diferentes. Ninguém exigirá de uma criança de seis anos que desempenhe atividades que requeiram o uso do pensamento abstrato, pela simples razão de este tipo de aprendiz ainda não ter condições para tais tarefas, dado o desenvolvimento maturacional previsto para esta idade. Também é claro que não haveria a necessidade de apressar este aluno a aprender termos de negócios, uma vez que este tipo de atividade não pertence ao seu contexto sócio-histórico. Da mesma forma, que sentido haverá para um aprendiz adulto decorar cantigas infantis e repetir frases descontextualizadas?  Afinal, aprendemos apenas aquilo que faz sentido para a nossa vida, para o contexto em que estamos inseridos.

Isso posto, passemos agora a examinar o aprendiz adulto de inglês. Lightbrown e Spada (2006) dizem que “todos os aprendizes, independente da idade, já dominam ao menos um idioma” (tradução minha). Brown (2001) afirma que, como adultos, contamos com o pleno desenvolvimento de nossas habilidades cognitivas. Lidamos melhor com regras, abstrações e conceitos. Temos o nosso conhecimento metalinguístico (conhecimento sobre o funcionamento das estruturas de nossa própria língua) e isso nos é de grande valia no aprendizado de uma língua estrangeira. Além disso, o aprendiz adulto traz para a sala de aula o seu vasto conhecimento de mundo, possibilitando ao professor o uso de inúmeras estratégias de aprendizagem e o estímulo ao aluno para que também o faça.

As atitudes em relação ao aprendizado também contam no momento de aprendizagem: geralmente há um propósito (pessoal ou profissional), uma expectativa e um objetivo bem claro sobre o que se fará com o idioma. Além disso, o foco de atenção do adulto é mais estável.

A principal questão a ser observada é que este aprendiz traz para a sala de aula inúmeras crenças de ensino e aprendizagem acumuladas ao longo de sua experiência de vida. E isto vai da forma pela qual o professor corrige – e se corrige – até ao syllabus (currículo de conteúdo) do curso. Como professores, não podemos nos esquecer de que este tipo de aprendiz tem um histórico, um passado de aprendizagem marcados, muitas vezes, pelo despreparo de certos instrutores e instituições ao lidar com este público. Afinal, quantos de nós já ouvimos de nossos alunos que tal professor ou instituição iria transformá-lo em “falante nativo”, e que, se não atingisse este objetivo, não seria fluente?Já se sabe que não é necessário para um aprendiz dominar o sotaque nativo do idioma para que haja comunicação efetiva. E que se assim fosse, uma boa parte do mundo, que não tem o inglês como língua nativa, não se engajaria nas diversas modalidades e gêneros de comunicação que regem as atividades humanas.

Fica evidente que o professor deve conhecer as diferenças e a fundamentação teórica que subjazem os estudos sobre estes aprendizes. Se assim o fizer, poderá orientar e mostrar ao aluno que é possível sim aprender uma língua estrangeira e se tornar usuário competente do segundo idioma na idade adulta.

 

BROWN, D.H. Teaching by Principles: an interactive approach to language pedagogy. 2.ª ed. New York: Longman, 2001.

LIGHTBROWN, Patsy M.; SPADA, Nina. How Languages are Learned. 3.ª ed.New York: Oxford University Press, 2006.

RAMPASO, Marianne. Resistência para aprender inglês: os fatores de resistência para o aprendizado do idioma. 2008. 79 pp. Monografia de conclusão do curso de pós-graduação em Língua Inglesa. São Paulo: Universidade São Judas Tadeu. Orientador: Profa. Dra. Sueli Salles Fidalgo.

 

Artigo escrito para SBS e-talks e publicado originalmente em:

http://www.sbs.com.br/virtual/etalk/index.asp?cod=1176#

 Por Marianne Rampaso*

 Biodata 

Graduada em Letras, com habilitação em Tradução e Interpretação Inglês-Português pela Unibero. Pós-graduada em Língua Inglesa pela Universidade São Judas Tadeu Professora habilitada para o ensino de Inglês para Propósitos Específicos pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). Atualmente cursa o Teacher’s Link, na PUC-SP, voltado ao desenvolvimento de pesquisa e reflexão aplicadas à sala de aula de língua inglesa. Atua há mais de dez anos como professora especializada no ensino de inglês geral e para propósitos específicos para aprendizes adultos.

Coautora do site www.englishatwork.com.br e professora da divisão In Company da Seven Idiomas.

Common mistakes in English 40

1- He is working hard now a day.

You mean, nowadays? Yes, é tudo junto!!!

Assim: He is working hard nowadays.

Talvez a confusão seja por causa de everyday e every day.

Ex:

I go to the gym every day. (todos os dias)

The doctor told me that I can come back to my everyday activities. (diárias, rotineiras)

2- You don’t can’t do it…

Something wrong here… Can é um verbo modal que tem a forma negativa com “not” e não don’t .

Assim:

You can’t / cannot do it.

O mesmo vale para os modais:

should (shouldn’t), may (may not), might (might not), could (could not).

3- Let’s to start prepare your documents for the presentation.

Two big mistakes:

1- “Let’s” não vem acompanhado da preposição“to”;

2- “Start” admite duas formas: gerúndio (ING) ou infinitivo (To) : start to prepare / preparing.

Assim:

Let’s start to prepare / preparing the documents for the presentation.

Project terms – Termos de Projetos

 Projetos e gerenciamento de projetos estão cada vez mais importantes nas empresas. Veja aqui alguns termos em inglês que podem ajudá-lo a lidar com esse tipo ocasião.project terms

  1. Acompanhamento – Follow-up
  2. Adaptação – Tailoring
  3. Atualização de risco – Risk update
  4. Cadeia crítica – Critical chain
  5. Calendário ( dias, agenda) – Calendar
  6. Calendário (execução) – Schedule
  7. Comprometimento – Commitment
  8. Conhecimento – Knowledge
  9. Curto prazo – Short term
  10. Custos do Projeto – Project costs
  11. De baixo para cima – Bottom-up 
  12. De cima para baixo – Top-down
  13. Desvantagens – Disadvantages / Drawbacks
  14. Entrega – Deliver
  15. Escopo – Scope
  16. Estimativa – Estimate  
  17. Gerenciamento de projetos – Project management
  18. Habilidades – Skills
  19. Longo Prazo – Long term
  20. Marcos – Milestones
  21. Metas –Targets / Goals
  22. Metodologia – Methodology
  23. Parâmetro – Parameter
  24. Plano de gerenciamento de projeto – Project Management Plan
  25. Pontos de término – Kill points
  26. Prazo – Deadline
  27. Prazo “apertado” – Tight deadline
  28. Recursos – Resources
  29. Retrocesso (em projetos e negociações) – Setback
  30. Tempo de entrega – Delivery time

 

Série Minimax

A série Minimax é incrível. É um guia de consulta rápido sobre várias áreas de conhecimento, como Clear Speaking for International Business (imagem), que traz o vocabulário específico, a pronúncia com o CD.

Editora SBS

Vários autores

Visite o site para mais opções e informações:

www.sbs.com.br

É só fazer a pesquisa no site com o nome “Minimax” que será aberta uma lista completa com os títulos disponíveis.

Traveling terms – Termos de Viagem

1.    Alfândega – Customs

2.    Carregador (funcionário do aeroporto ou hotel) – Porter

3.    Carrinho de bagagem – Luggage trolleys

4.    Chegadas – Arrivals

5.    Classe econômica – Economy class

6.    Classe executiva – Business class

7.    Controle de segurança – Security check

8.    Embarque – Boarding

9.    Entrada (de local) – Entrance

10.  Guichê de passagens – Ticket office

11.  Linha (de metrô) – Line

12.  Parada solicitada (ônibus) – Request stop

13.  Partidas – Departures

14.  Passagem de ida – Single ticket

15.  Passagem de ida e volta – Round ticket

16.  Plataformas – Plataforms

17.  Portas automáticas – Automatic doors

18.  Posto de fronteira – Border crossing

19.  Primeira classe – First class

20.  Saída – Exit

21.  Sala de embarque – Departure lounge

22.  Vão (nas plataformas de trem e metrô) – Gap

23.  Vagão-leito (trem) – Sleeping car

24.  Vagão restaurante (trem) – Dining car

25.  Verificação de passaportes – Passport control

How to Resolve Conflicts at Work?

Conflicts at work can be counterproductive and may cause a lot of stress. Look at the following tips to learn how to handle them.

1- Decide if you want to confront the person who is bothering you.

2- Speak to the other person calmly, politely and rationally. Focus on the situation and facts, avoiding gossip and personal attacks.

3- Be careful not to express hostility in your posture, facial expression or tone. Be assertive without being aggressive.

4- Listen to the other person carefully: What is she trying to say? Be sure you understand her position.

5- Express interest in what the other person is saying. You can acknowledge her ideas without necessarily agreeing or submitting. Saying, “I understand that you feel this way. Here’s how I feel…” pleases both positions.

6- Communicate clearly what you want, offering positive suggestions and recommendations. Be willing to be flexible.

7- Speak to your supervisor if a problem with a difficult co-worker seriously threatens your work, but avoid complaining a lot.

Tips & Warnings

  • Deal with problematic personalities by trying to understand what motivates their behavior, then adapting your actions to work with that personality type. Once you get why people behave as they do, you will be able to interact with them more effectively.
  • For example, be firm with bullies at work: don’t allow them to pressure you into doing anything unwanted. Be forceful in your opinions, but be careful.
  • Around complainers, avoid acting too sympathetic if you feel their complaints don’t make much sense; instead, ask what sorts of actions they plan to take to change the situation. Try to find out what they want.

Texto adaptado para propósitos pedagógicos. Pode ser visualizado na íntegra no link descrito pela fonte.

Fonte: http://www.ehow.com/how_3820_resolve-conflicts-work.html

Personal Profile Builder

After filling out their profiles, students can interview each other.

 PERSONAL PROFILE BUILDER

A personal profile describes you as a professional and a person. Your Personal Profile should be only three sentences. The first sentence should describe who you are; the second should present a summary of your skills and experience and the final sentence should explain your personal career goal.

PDF – Handout – Personal Profile Builder

Airport Arrivals and going through the customs – Chegar ao aeroporto e passar pela alfândega

 

  1. O senhor está aqui a negócios ou lazer?Are you here on business or pleasure?
  2. Quanto tempo o senhor(a) vai ficar em / no / na… How long are you staying in…
  3. Posso ver o seu passaporte? May I see your passport?
  4. Obrigado (a), aqui está o seu passaporte.Thanks, here’s your passport back.
  5. Bem-vindo ao/a ….. e tenha uma boa estada. Welcome to …. and have a nice staying.
  6. Qual a natureza da sua visita?What is the nature of your visit?
  7. De onde o senhor está vindo?Where are you coming from, Sir?
  8. O senhor(a) tem algo a declarar?Do you have anything to declare?
  9. O senhor tem mais bagagem?Do you have any more luggage / baggage?  
  10. Eu tenho que pagar tarifas / impostos por estes produtos? Do I have to pay duties on these products?  
  11. Eu gostaria de declarar… I’d like to declare…
  12. Eu só tenho a quantidade permitida. I just have the normal allowances.
  13. É para uso pessoal.It’s for my personal use.
  14. Abra a sua bolsa, por favor.Please, open your bag.
  15.  Por favor, ponha a sua bagagem na esteira.Please put your baggage on the conveyor.
  16. Encoste-se à direita / à esquerda, por favor.Pull over right / left, please.
  17. É preciso pagar imposto sobre isso.You must pay duty on this. 

Michaelis Dicionário Visual Inglês

Michaelis - dicionário Visual Inglês

Está é uma obra original e dinâmica, que apresenta, com o apoio de imagens, 7.000 termos técnicos em português e em inglês. As mais de 5.000 ilustrações detalhadas, distribuídas em 130 quadros temáticos, permitem a compreensão imediata do termo. A consulta a esta obra é bastante simples: pode ser feita pelo sumário de temas e assuntos, diretamente pelas ilustrações ou ainda pelos índices em português e em inglês, apresentados no final do livro.

O Michaelis Dicionário Visual Inglês permite ao leitor ver, conhecer e compreender melhor termos específicos para estudo, viagem ou trabalho, aprimorando de maneira rápida e eficiente o seu vocabulário.

Michaelis Dicionário Visual Inglês

Editora Melhoramentos