Animais de estimação em inglês

animais de estimação em inglêsVamos aprender como dizer em inglês as principais palavras para falar sobre animais de estimação em inglês. Os principais termos para animais, ração e tudo que eles usam.

  • Animais
    • Animal de estimação – pet
    • Cachorro – dog
    • Filhote de cachorro – puppy
    • Gato – cat
    • Filhote de gato – kitten
    • Porquinho da Índia – guinea pig
    • Coelho – rabbit
    • Peixe – fish
    • Pássaro – bird
  • Material para animais
    • coleira – collar
    • correia – leash
    • gaiola – birdcage
    • alpiste – birdseed
    • comida para cachorro – dog food
    • comida para gatos – cat food
    • aquário – fish tank
    • comida para peixes – fish food
    • caixa de areia para gatos – litter box

 

 

 

Como entender sotaques diferentes?

Apesar de todo o hype de alguns anos atrás sobre o mandarin, o inglês continua se firmando cada vez mais como uma língua franca – língua usada para comunicação internacional. O efeito colateral disso é que a velha pergunta sobre aprender inglês americano (veja nosso post sobre isso nesse link) está ainda mais defasada.

Atualmente, você deve se focar em aprender inglês e se preparar para compreender e se comunicar com americanos, britânicos, alemães, chineses, japoneses e indianos. Claro que a grande pergunta que se faz é como entender estes sotaques tão diferentes? A resposta é exatamente a mesma que pode ser dada para “Como melhorar meu listening?” – Prática, prática e mais prática.

A chave para compreender o que o falante de inglês de outros países diz,  é acostumar seu ouvido para o modo como ele pronuncia as palavras. Uma exemplo clássico é saber que japoneses não diferenciam o “r” e o “l” com facilidade portanto ao falar com japoneses, deve-se esperar que isso vá acontecer, e sempre usar o contexto para ajudá-lo a entender o que está sendo dito.

Mas como conseguir essa prática e esse traquejo de saber como o falante de cada idioma pronuncia o inglês? A internet ajuda muito. O youtube tem uma infinidade de vídeos de falantes de inglês do mundo todo, que você pode assistir para praticar. Além disso, um site específico para a prática de sotaques é o IDEA – International Dialects of English Archive que traz gravações de falantes de várias partes do mundo falando em inglês.

Pratique e da próxima vez que tiver que falar inglês com um não nativo, posso garantir que sua tarefa será bem mais fácil.

 

Apps para aprender inglês funcionam mesmo?

logotipo duolingoSempre fui defensor da visão de que a aula de inglês é o que menos conta no aprendizado. O que realmente define quanto alguém sabe um idioma ou qual seu nível de fluência é o quanto você pratica e usa o idioma. Se a internet sempre foi uma ferramenta excelente para conhecer novas palavras e praticar o idioma em chats com nativos, apps que tem surgido nos últimos anos adicionaram  as estratégias de gamificação e aprendizagem em rede para facilitar o aprendizado.

É claro que os apps sozinhos, como qualquer outra ferramenta, não garantem o aprendizado, mas se aplicados como parte de sua prática de inglês podem sim ajudar muito. Veja alguns dos principais apps abaixo.

 Rosetta Stone

A Rosetta Stone é uma das pioneiras em uso de sistemas multimídia para ensino de idiomas, no mercado desde 1992, agora está oferecendo seu material em apps, disponíveis para IOS, Android a Nook.

Saiba mais

Duolingo

O mais famoso dos apps para aprendizado de idiomas tem a vantagem de ser totalmente grátis, diferente do Rosetta Stone, e é, além disso, muito interativo e divertido. Como dito no site, cada lição é um jogo. Os conceitos de gamificação são muito bem usados e o aplicativo pode ser usado puramente para diversão. O app fornece também um certificado atestando seu nível de proficiência – a um custo de 20$. O Duolingo pode ser usado no seu navegador ou em apps para IOS, Android e windows phone.

Saiba mais

LearnEnglish Grammar

O app oficial to British Council (um de muitos que eles oferecem) é voltado para a prática de gramática e tem versões em inglês americano e britânico. O conteúdo básico é grátis, mas mais unidades podem ser compradas a 0.99$ cada. Um preço bem razoável para material que vem com um selo de qualidade de peso.

Saiba mais sobre o LearnEnglish Grammar e os outros apps do British Council aqui.

Estes são apps especificamente para o aprendizado de inglês, mas lembre-se de que o importante, como dito no início do post, é a prática. Qualquer app em inglês pode servir para você aprender vocabulário novo e praticar sua leitura e compreensão.

Você usa algum outro app interessante para aprender ou melhorar seu inglês? Deixe um comentário falando dele.

Como falar de gráficos em uma apresentação em inglês? Parte I

Growing-rate-graphA maioria das apresentações em inglês acaba sendo sobre números (e gráficos) de algum tipo – resultados trimestrais, vendas, market share entre outros.

Nesta primeira parte vamos ver algumas frases para falar de situações passadas, já terminadas.

Veja algumas frases que podem ajudar um pouco:

Falando de resultados passados

  • Last year sales increased by 10%.

As vendas aumentaram em 10% no ano passado

  • Between 2010 and 2012 our market share went from 20% to 35%.

Entre 2010 e 2012 nosso market share foi de 20% para 35%.

  • Our revenue fell to U$20,000,000.00 last quarter.

Nossa receita caiu para U$20.000.000,00 no último trimestre.

  • Over the last 5 years our share price fluctuated a lot before peaking at U$20.00.

Nos últimos cinco anos, o preço das nossas ações flutuou muito até atingir o máximo de U$20,00.

 

 

Spices – how can I say temperos in english?

spices-spoonsMais um post importante de inglês para restaurantes e culinária: como dizer alguns temperos em inglês. Uma novidade. A partir de agora, nossos posts do how can I say vão trazer também a transcrição fonética para ajudar com a  pronúncia também.

alho – garlic – /ˈgɑrlɪk/

canela – cinnamon – /ˈsɪnəmən/

coentro – coriander – /ˌkɒrɪˈandər/

cravo – clove – /kləʊv/

manjericão – basil – /ˈbaz(ə)l/

pimenta – pepper – /ˈpepər/

pimenta do reino – black pepper – /’blæk pepər/

pimenta malagueta – chilli pepper – /ˈtʃɪli pepər/

salsa – parsley –  /ˈpɑrsli/

tempero – spice –  /spʌɪs/

Símbolos fonéticos – Eles ajudam a melhorar a pronúncia do inglês?

Quase todo mundo já viu esses símbolos da tabela abaixo em algum dicionário ou talvez no livro de inglês que usa para estudar. Mas vocês sabem para que eles servem?bcphonemicchart-521024

Duas  das maiores dificuldades de alunos ao aprender a pronúncia de inglês são:

  1.  Um mesmo som pode ser escrito de diversas maneiras diferentes. Por exemplo: ad e add ou made maid. São os chamados homophones (você pode achar uma lista deles aqui).
  2. Palavras escritas da mesma maneira podem ter pronúncias diferentes. Exemplos clássicos são read (infinitivo) e read (passado) ou tear(verbo) e tear (substantivo). Esses são os heteronyms (veja uma lista aqui).

É exatamente para ajudar com estes problemas que os símbolos fonéticos podem ajudar… e muito. Com eles, você pode escrever uma palavra exatamente como ela é pronunciada, sem espaço para dúvidas.

A tabela acima foi retirada do site do British Council, onde eles disponibilizaram uma versão interativa da tabela. Clicando em cada símbolo você pode ouvir os sons isoladamente e em palavras.

British Council – Phonemic Chart

Google e Educação (inimigos ou parceiros)

Muito é dito por professores e pais, normalmente reclamando, sobre os efeitos que a internet e o google tem na educação dos alunos.

google

Talvez seja hora de enfrentar alguns preconceitos e aceitar que saber localizar informação no google é importantíssimo hoje me dia.

Vejam essa reportagem do canção nova notícias sobre uma experiência:

http://noticias.cancaonova.com/noticia.php?id=283064

A reportagem mostra alguns lugares comuns sobre o google e a educação:

“A internet facilita o plágio de trabalhos prontos”

Bom, a internet facilita tudo. Como gostam de dizer na rádio Jovem Pan, isso é fato. A questão é se adaptar. Como os professores combatiam plágio antes? Você tinha que ter um conhecimento enorme e uma memória prodigiosa para conhecer cada fonte que os alunos poderiam plagiar.

A verdade é que a internet também facilita o contra-plágio. Simplesmente avise a seus alunos que você ira escolher  aleatoriamente alguma frase do trabalho e buscá-la no google, e caso encontre-a o aluno receberá nota zero.

Por exemplo: Entrei em um site especializado em trabalhos escolares prontos e vi um trabalho sobre adjetivos em inglês. Escolhi um parágrafo qualquer e busquei no google, colocando o conteúdo do parágrafo entre aspas. De cara apareceu no google o site de onde havia retirado o parágrafo (e mais alguns sites que plagiaram o primeiro também)

Isso funciona e reduz enormemente a chance de haver um plágio simples de CTRL+C, CTRL+V.

“Na internet qualquer um pode escrever qualquer coisa – como eu vou saber se está certo?”

Bons tempos em que podíamos confiar cegamente nos livros didáticos também… de qualquer maneira, que tal ensinar um pouco de senso crítico aos alunos?

É imperativo que os alunos, e professores também, saibam como pesquisar na internet. Ao mesmo tempo que o google facilita o acesso a infinitas fontes sobre os assuntos que pesquisamos, ele permite que você separe o joio do trigo com certa facilidade.

Sites bem feitos, apoiados por empresas, escolas e editoras sempre tem mais chance de ter conteúdo confiável – as pessoas e instituições por trás destes sites tem uma reputação a zelar.

Referências bibliográficas são amigas! Se o site tem algum link para a origem do conteúdo ou nome do autor, verifique esses dados. Busque no google no nome do autor, do livro. Veja quais os comentários que se faz sobre eles. Assim, você poderá ter uma noção de quanto a informação é confiável.

Como vocês podem ver aqui, o google não é um vilão tão grande, desde que tanto professores quanto alunos estejam armados de conhecimento para evitar as armadilhas. O conhecimento para evitar essas armadilhas é na verdade um dos mais importantes conhecimentos na sociedade atual.

As novas tecnologias e o ensino de idiomas

Atualmente vivemos em um mundo totalmente diferente daquele que as gerações anteriores experimentaram. A tecnologia, computadores, smartphones e principalmente a Internet nos trouxeram um mundo rápido, muitas vezes estressante, mas repleto de possibilidades.

Se pensarmos no caso específico da educação, e ainda mais específico dos professores de idiomas, vamos ver que estas possibilidades estão por todos os lados, para que nossas aulas sejam melhores e mais interessantes e para que nossos alunos tenham um desenvolvimento mais rápido.

Há alguns anos, muitos professores tinham que usar fitas-cassete para suas aulas e, principalmente no caso de aulas in company tinham que carregar um toca fitas para todos os lugares. O toca-fitas virou um toca CD mas ainda continuava pesado e difícil de carregar, mas veio a revolução do mp3 e hoje em dia você pode dar suas aulas usando desde um celular até um notebook ou net book ou até mesmo um tablet  para tocar o áudio que seus alunos devem ouvir.

O barateamento de notebooks e similares trouxe uma oportunidade incrível para os professores. Agora uma única máquina pode tocar o áudio, os vídeos, e, o que é mais importante, adicionar interatividade à sua aula.

Uma simples apresentação de powerpoint, com fotos, áudio e efeitos já pode superar, em muito, a apresentação visual que o professor conseguiria para o mesmo conteúdo usando apenas o quadro e fotos recortadas, por exemplo.

Com um pouco mais de trabalho, podemos conseguir usar o computador para criar diversos jogos e atividades, sem que seja necessário ter nenhum conhecimento de programação. Ferramentas de autoria, como o ELO (http://bit.ly/ntUOH5) possibilitam que o professor crie atividades interativas para seus alunos acessarem pela internet ou mesmo usarem durante aulas regulares. Outro software de autoria bem conhecido é o Hotpotatoes, encontrado para download grátis em http://bit.ly/7vUx e com ele qualquer um pode fazer jogos de matching, palavras cruzadas e outras atividades.

Claro que professores de idiomas são normalmente pessoas com pouco tempo disponível. Para facilitar existem também inúmeras sites que oferecem jogos educativos online, exercícios para os mais variados níveis, praticamente qualquer tipo de material que você procure está disponível, desde que se saiba como procurar. Este link tem ótimas dicas sobre como melhorar sua busca no google: http://bit.ly/vVwZk .

Até aqui falamos apenas das vantagens que a internet traz para os professores, mas os alunos também podem se beneficiar muito do uso da internet. A expansão da internet banda larga trouxe a possibilidade de os alunos estarem em contato com o idioma estudado pelo tempo que quiserem. O Youtube tem muito mais do que vídeos de gatos engraçadinhos e de pessoas passando vergonha. Só para ilustrar, segundo o site realseo.com apenas em 2010 foram disponibilizadas mais de 13 milhões de horas de vídeos. Neste conteúdo todo há uma infinidade de aulas online e mais importante que isso, exemplos reais de falantes usando nos mais variados contextos os idiomas que seu aluno quer praticar – isso sem falar em músicas legendadas, episódios de séries e muito mais.

As redes sociais podem ser usadas para que os alunos interajam com falantes de todo o mundo, seja por escrito, seja falando – o google+ a nova aposta do google em redes sociais tem uma ferramenta interessante os hangouts, onde grupos de pessoas podem se juntar para conversar falando e vendo umas às outras. Isso sem mencionar redes sociais como a Livemocha (http://bit.ly/daK6wC), especializada em ensino e prática de idiomas.

O twitter tem um movimento muito interessante de criadores de conteúdo, sejam professores, editoras, escolas de idiomas, que aproveitam os 140 caracteres para sugerir sites, ensinar vocabulário e até discutir temas ligados ao ensino. Nesta última categoria, vale a pena destacar o grupo #eltchat que mantem bate-papos semanais discutindo sempre algum tempo ligado ao ensino de inglês. Saiba mais sobre eles no site http://bit.ly/9ghq7x.

Além de tudo isso, uma tendência que tem se acentuado cada vez mais é o uso de comunicadores, como o Skype, para aulas de inglês online. Professor e aluno podem estar cada um em um lugar do mundo e ter uma aula tão eficiente quanto qualquer aula particular. O aluno vê e ouve o professor através da vídeo-chamada, pode fazer exercícios online como aqueles criados nas ferramentas de autoria, pode escrever para que o professor corrija no próprio Skype ou em sites que funcionam como uma lousa colaborativa, como o dabbleboard: http://bit.ly/nUt09o.

É imprescindível que os professores busquem conhecer melhor as possibilidades de ensino da internet, para que possam mostrar a seus alunos como usar a rede para acelerar e melhorar seu aprendizado. Sendo assim, procurem, conheçam e mostrem o caminho das pedras para seus alunos. Vocês, e eles, só tem a ganhar.

Artigo escrito para SBS e-talks e publicado originalmente em:

http://www.sbs.com.br/virtual/etalk/index.asp#

  Por Marcos Padilha*

*Biodata – Marcos Padilha

Marcos Eduardo Müller Padilha é formado em Letras – com habilitação em Língua e Literatura Alemã pela Universidade de São Paulo.
Professor de inglês desde 2004, especializado em aulas in company.
Pós-graduando em consultoria e tecnologia web pela Faculdade Impacta.
Atualmente trabalha como professor na divisão InCompany da Seven Idiomas, editor na ithaka books e faz trabalhos free-lance como consultor web, além de ser o responsável ténico pelo site www.englishatwork.com.br

Twitter: @marcos_emp

Updating – Fornecer atualizações; deixar alguém a par de alguma coisa

  1. O que está acontecendo com… é…What is going on with … is…  
  2. Apenas para deixá- lo(a) a par… Just to let you know…
  3. A posição atual do projeto é… Here’s the status on the project… 
  4. Eu gostaria de mantê-lo atualizado sobre… I’d like to bring you up to date on…
  5. Até onde eu sei, a situação é ainda complicada.As far as I know, the situation is still complicated.
  6. Para a sua informação…For your information (FYI)…
  7. É tudo o que sabemos até agora.That’s all we know so far.
  8. Assim que souber mais, eu te falo. As soon as I find out more, I’ll let you know.
  9. Você pode me dar uma posição sobre…Can you give me an update on…?
  10. Você pode me dar a situação do(a)…? Could you give me what the status is on…?
  11. O que está acontecendo com…? What’s going on with…?
  12. O projeto está em andamento. The project is coming along.
  13. Nós estamos atrasados.We are behind schedule.
  14. Nós estamos adiantados.We are ahead of schedule.

Common mistakes in English 41

1- I am happy when my co-worker achieves their goals.

 

As metas são do(a) seu(sua) colega de trabalho, certo?

 

Então façamos referência a ele(a) (his / her). Their é “deles”, remember?

 

So: I am happy when my co-worker achieves his/her goals.

 

 

2- It be a dream for our clients!

 

Is it future?

 

Não esqueça o verbo auxiliar. Neste caso, will ou going to.

 

This way:

It will be / is going to be a dream for our clients!

 

 

3-

 

Look at the topics for the next semester:

 

Will hire 4 new people for the area.

Work with some new clients.

Don’t to have many meetings.

 

A total mess!!!

 

Vamos por partes: quando topicalizamos um texto, precisamos manter certa estética, a qual chamamos de paralelismo. E isso não é só em português, em inglês também!!!

 

Se você escolhe começar de uma forma, tem que terminar com ela, por exemplo:

 

Hiring people

Changing the rooms

 

Além disso, nesse excerpt (trecho), o auxiliar “Will” está posicionado errado: 

Will hire 4 new people for the area.

 

O correto é: We will hire….

 

Don’t to have também não existe em inglês…

 

Assim, usando de boa gramática e paralelismo, temos:

 

Look at the topics for the next semester:

 

Hiring new people for the area;

Working with some new clients;

Not having many meetings.